LyricFluent Logo
Home / Lyrics / Luisa Sobral / Fora do Tempo
NOTE: These English Lyric translations are not yet verified.
Sign in to enable edit translations mode
Intro
Bendita é o fruto
Sid, leto, tavin, jota, smile, ahn
Ya, ya, ya
Verse 1
Quando me tromba de frente, sente um puto medo
Quando rima, você mente, então sou bruto memo
Sid não merece o topo, pois não curto vê-lo
Seu discurso de loser é dor de cotovelo
Sou eclético, sempre rimo sobre tudo
Você chora por atenção, eu sempre sofro mudo
Tu quer me ter de rival, tá legal
No teu funeral, meu visual vai ser um sobretudo
Meu verso tе empena, pô
Que pеna, dó, ó, chuto como imperador
Você cheira como im****dor
É o pino, é o pó, ó, relaxa, eu não tenho pudor
Eu nunca envelheço, então odeio aniversário
Me sinto tão acima que eu não tenho adversário
Corro pelo justo, mas odeio justiceiro
Lei pelas próprias mãos é desculpa de carniceiro
Tô há cinco ano' nesse corre
Meu sangue escorre, eu continuo o memo
Rap não existe receita
Tudo que eu receito é meu gosto, flow é somente tempero
Guarde tua opinião no bolso do jaco
Bendita, devoto, eu picoto pitaco
Não adianta puxar meu saco
Tu acha que eu cheguei até aqui ouvindo dica de fracassado?
É que eu vim da onde ninguém veio
Céu azul, mas quando treta lá, é tempo feio
Lado sul, mano, respeita eu vim pra dar no meio
Nem tô levando a cena a sério, eu vim a passeio, ahn
Os melhores poetas vieram do poço
Eu caguei pra quem tá no topo e digo que
Quem tá tão exposto sempre acaba morto
É o alvo dos tiro' por aqui
'cês tão preso' na bolha, nem foi por escolha
Igual make, são fake' falso
Não é que vocês tão no topo
É que não têm moral pra pisar aqui embaixo, ahn
Vingança é foda, né? tu come frio, não
A gente como quente e tu não dá um pio, não
A rua cobra os cop', então dou double kill
Eu não sou teu best friend, como já diria o phill
Então não testa minha fé que 'cês nem pode'
Palavra provida que contata meu bigode
Rima, viva, cara, vida sempre tensa, sina
Nada claro, eu troco soco na ofensa
Já são quase dez anos
Pouco tempo e muitos planos, mano, eu vou até o fim
Vacilar com meus manos, vai sobrar pra muitos danos
E as guri' sangue ruim
Como assim tu porta glock? hmm
Se tu usa tik tok, bendita é o hip-hop, hmm
Pros haters motherfucker, cara de gangster, hamster
Roubaram não fode
Redemoinho de vento, hoje eu tô pique dom quixote
A vida não é bela, tá tomando só balinha na balada
Sua mãe se fudendo e tu tá de bigode
Dispenso a droga dessa vez
Que merda de música que tu fez
Na cena só vejo mirim, é o fim
Sou da época do cs 1.6
O capeta é só um hippie zen
Tô fazendo merda, o que que tem?
O mundo tá uma merda, ela quer intriga
Vou chapar, vai se foder, amanhã me liga
Tipo la casa, tomo de assalto
Tipo a nasa, meu flow tá alto, vem no sapato
É que eu vim puto e pleno pra deixar 'cês parado'
Sem pano, propano, meu plano é invadir o planalto
Vem pra treta, nas linha não 'guenta
Pateta faz som para teta e bullshit
'pera, letra, feita, dose, tarja preta
Festa que te deita, até o sangue esquenta
Veloz e feroz tipo um pitbull, ritmo
Na batida eu assombro o sínico, tipo, boo
Beat cru e me puxa atrasando mais que azul
'cê só tá congelado porque enfia ice no
Não vem tirar, vai ser mentira
Ou vou ter que pedir pra você se retirar?
Tô calmo tipo um monge, sem nem meditar
Mantendo a essência pra ciência, sem pirar
Fala que não tá ligando, mas eu sei que tá
Vem tentar peitar, vou te exilar
Virar tipo um vilão, vou registrar
Seu óbito pelas paredes da bendita
Quando ligo o mic, é mó brisa
Quem posa e só quem só faz pose e pose na vida pisa
Peguei uma folha a4 e fiz um retrato cinza
Gostei, botei num quadro e apelidei de mona lisa
Os moleque é liso da batida e nós desliza
Mandando o papo mais reto e concreto do que pista
Daquelas que o avião aterriza
Então avisa a torre que eu entorto loki, igual torre de pisa
Atenção senhores passageiros, interrompemos nosso voo
Para transmitir uma mensagem do meu querido amigo jotapê
Verse 2
O ano era 2020, todos de máscaras nos rostos
Mascararam a dor do meu povo
Nós fizemos cartas e protestos
Porque ainda só algemam os nossos? vitimização é meu ovo
Botaram máscara até nos gestos
Eu sempre adepto pelo oposto
Nós sempre tratados como foscos
Olhe ao redor e veja ossos
Ainda quer que eu fale sobre o resto?
Vim pra cá sem um puto no bolso
Mas juro que vim puto com o bolso
Aquelas vozes no calabouço
Seu conceito de corrente errôneo
Aquilo que aprisiona aquiles, brilha aqui no meu pescoço
Consequência do trabalho é meu cash, vem
Vim ao luxo, mas os versos lá do trash vêm
Monstros fora do relógio, chama o kevin, ben
Dando punch nesses rappers, eu tô tipo def jam
Não tem postura na rua e na 'net transborda
Faço ritmos que nem mesmo a gaiola teve
Quero meus irmãos ricos igual michael b. jordan
E minhas rimas milionárias igual a viola davis
As atitudes e rimas, todos vocês devem
Quem deve não vence, mano, isso aqui não é cartão
Vocês jurando que tão lutando
Mas 'cê tem fraqueza numa dose de diazepam
Eu não aguento mais essa sua novela de lean
Versos mais enrolados do que novelo de lã
Esse verso completo escrevi na vila do finn
Destruindo ídolos, acende a vela de fã
Sem zelo, senzala na tela da sua netflix
Foco ao máximo, maior que o da sua tekpix
Luan de oliveira, veja o homem in tricks
Bendita reunindo monstros, bem-vindo ao omnitrix